duvida

Quais os critérios para escolher um EPI?

Quando se fala de medidas para prevenção de risco, surpreendentemente, o EPI (Equipamento de Proteção Individual) é o último passo a ser dado. Porque, antes de usá-lo, a empresa precisa usar todas as formas possíveis para eliminar ou pelo menos diminuir ao máximo os riscos existentes.

A empresa é responsável por estar sempre melhorando as condições de trabalho sendo com EPC (Equipamento de Proteção Coletiva), melhorias ergonômicas ou outras formas. Além disso, o controle é fundamental, ele pode ser exercido através de treinamento, mapas de riscos, sinalizações, dentre outros.

Veja mais sobre isso nas postagens sobre PPRA e sobre PCMSO.

O que considerar antes de escolher o EPI

Primeiramente precisamos entender que há alguns parâmetros da NR-6 que deixa bem explícito sobre a importância da competência, qualidade e durabilidade do equipamento diante da NR. Vemos isto em 6.2:


“6.2
O equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação – CA, expedido pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego”.

Fonte: https://enit.trabalho.gov.br/portal/images/Arquivos_SST/SST_NR/NR-06.pdf

O que é CA?

CA é a sigla para Certificado de Aprovação, ele é exigido pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) com a finalidade de assegurar a qualidade e perfeito funcionamento do equipamento de segurança.

Antes de começar a ser comercializado, o equipamento precisará passar por vários testes, caso seja aprovado, o CA será emitido, e desta forma ele estará liberado para venda.

Este é o primeiro ponto a ser analisado antes de adquirir algum EPI, o certificado comprovará que o equipamento está pronto para ser usado, assegurando a integridade e saúde do colaborador.

Alguns outros aspectos fundamentais para a escolha do EPI são o Cartão de Registro do Fabricante (CRF) ou do Importador (CRI).

Quem deve escolher o EPI?

Comprar o EPI não deve ser feito por setores alheios ao assunto.

Estes equipamentos carregam uma grande responsabilidade por causa de sua função e finalidade, sendo assim, é necessário que um setor ou um profissional especializado estabeleça e aponte quais equipamentos precisarão ser comprados.

Busque EPIs que:

  • Não ofereçam mais perigos;

O equipamento não pode atrapalhar qualquer movimento ou o campo de visão de quem o utiliza, então sempre preste atenção se o equipamento adquirido será eficaz na proteção e se este não atrapalhará o colaborador.

  • Sejam fáceis de usar;

Um equipamento fácil de usar é muito importante para que este seja aceito pelos colaboradores e também para que possa ser utilizado de forma correta.

  • Tenham ajustes e regulagens;

Vamos usar o capacete de exemplo, ele permite que a carneira seja regulada conforme a cabeça de quem o usará, para ter o máximo de conforto, algumas têm ajuste na cinta jugular para garantir um melhor ajuste e evitar que eles se soltem em caso de impactos mecânicos.

Sempre pense no conforto do EPI, ele precisa ter ajustes e regulagens para um melhor encaixe ao corpo do colaborador.

Escolha os EPIs baseado na colaboração de todos

Mostre aos colaboradores as principais NRs, principalmente as que cabem na função que estes exercerão, os conscientize a respeito dos equipamentos que serão necessários durante todo o dia de trabalho.

Posteriormente fazer isto, use a ajuda deles para melhor escolher o equipamento. Desta forma, eles se sentirão importantes e compreenderão como é importante usar adequadamente estes equipamentos para assegurar sua integridade e sua saúde.

Teste os equipamentos

Examinar e testar os equipamentos permite uma saber qual deles terá um menor custo, mas o maior conforto e efetividade.

Divisão dos EPIs

Já que eles são ajustados conforme os riscos que evitam, os equipamentos são divididos pelas partes do corpo.

Por exemplo, o capacete é para a cabeça, para a audição temos os abafadores e os protetores auriculares, e desta forma segue até os pés.

Em resumo, cada parte do corpo tem o seu tipo específico de equipamento.

Conclusão

Nessas horas é sempre bom consultar o seu Técnico de Segurança do Trabalho ou o profissional que esteja responsável pelo setor na sua empresa.

Lembre-se também que não basta apenas comprar o EPI e entregar aos colaboradores, é preciso dar as instruções para o uso correto do equipamento, mostrando o porquê deles precisarem usar sempre e também sobre a sua conservação.

Gostou do artigo? Deixe seu comentário logo abaixo e compartilhe com seus amigos.

Deixe uma resposta